sexta-feira, 13 de novembro de 2015

NOVAS EDIÇÕES DAS OBRAS DE
MÁRIO DE ANDRADE
Mário de Andrade (Foto Ilustrativa)
O IEB - Instituto de Estudos Brasileiros, divulgou as cinco reedições das Obras de Mário de Andrade. Confira:

“Hei-de”, “de-tarde”, “dor-de-cabeça” ou “beijaflor”, “caixadóculos”, “milréis”, “malestar”, “ponto-de-vista”, “pinta-paredes” e outras idiossincrasias ortográficas de Mário de Andrade que subvertem a norma de seu tempo – do nosso! – estão de volta. Atendem ao ritmo da frase e se disseminam em tudo o que ele escreveu e publicou em vida. Não poderiam ter sido “corrigidas” pela revisão, nos livros dele que circulam sem esta parcela de seu projeto literário renovador.
O propósito da nova publicação das obras do criador de Macunaíma, no projeto que, desde 2007, une o trabalho da Equipe Mário de Andrade do Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo, no Projeto Temático FAPESP, às editoras associadas Agir e Nova Fronteira, é garantir aos leitores de Mário de Andrade, no estudo e no lazer, textos escoimados de erros, fidedignos. Textos de poesia, de ficção, assim como estudos nas áreas por onde transitou o multifacetado e tão fértil escritor.
Este projeto editorial, coordenado no IEB por Telê Ancona Lopez canaliza, para as publicações, manuscritos e outros documentos que se referem ao processo criativo das obras, e difunde, amplamente, descobertas que advém do processamento dos manuscritos, do contato com as cartas e com a biblioteca do escritor.
Os livros publicados, além dos textos de Mário de Andrade estabelecidos por especialistas – no confronto de manuscritos existentes no arquivo do escritor, ou fora dele, com edições em vida –, trazem a história das obras, o dossiê de documentos que a elas se ligam e um texto da crítica.

Foto Ilustrativa (IEB) [Publicados pela Ed. Nova Fronteira, Rio de Janeiro]

Além dos títulos que já chegaram às livrarias, dos já concluídos que aguardam a publicação e daqueles em processamento, como o romance Café e do ensaio Traduçãopoética, previstos para 2011, acaba de sair, na coleção Fronteira, A escrava que não é Isaura. Destacada da Obra imatura, esta importante poética modernista teve o texto fixado por Aline Nogueira Marques e a história de sua criação estudada por Marcos Moraes nas cartas do autor.


TÍTULOS PUBLICADOS:

- OS FILHOS DA CANDINHA (Crônica);
- AMAR, VERBO INTRANSITIVO;
- MACUNAÍMA (Rapsódia);
- OS CONTOS DE BELAZARTE;
- OBRA IMATURA (Poesia, prosa e ensaio).

TÍTULOS NO PRELO

- PADRE JESUÍNO DO MONTE CARMELO (Ensaio);
- NAMOROS COM A MEDICINA;
- MODINHAS IMPERIAIS;
- POESIAS COMPLETAS;
- CONTOS NOVOS.

FONTE: http://www.ieb.usp.br/marioscriptor/noticias/nova-edicao-de-obras-de-mario-de-andrade.html

CONHEÇA AS PUBLICAÇÕES SOBRE 
MÁRIO DE ANDRADE 
NO BLOG RETALHOS DO MODERNISMO


(Luiz de Almeida)